Mito: Investir em lentes é melhor do que investir em câmeras

Muito se diz que é mais vantajoso investir em melhores lentes do que investir em melhores câmeras (corpos). Existe certa lógica nessa afirmação. A luz passa primeiro pela lente antes de chegar ao sensor da câmera, que é onde a imagem será formada. Então as pessoas presumem que não adianta usar uma lente mais barata em um corpo mais caro. Outro fato é que as lentes (boas lentes) geralmente duram mais tempo de que os corpos. Então alguns preferem investir em boas lentes agora e deixar para trocar os corpos por melhores no futuro. Mas porque pensar assim é errado?

Bom, lentes melhores são geralmente aquelas utilizadas em câmeras full frame, que possuem sensores maiores. Alguns acreditam que, como essas lentes são feitas para sensores maiores, e as lentes em geral apresentam maior qualidade no centro, usar essas lentes em corpos mais baratos, não full frame (ou cropados), é vantajoso. Mas o grande problema é que lentes projetadas para um tipo de sensor não oferecem a mesma qualidade de imagem quando utilizadas em outro tipo de sensor. Lentes para sensores full frame foram projetadas para que sua luz seja melhor aproveitada por sensores maiores. Quando essas lentes são utilizadas em câmeras cropadas, perde-se luz e, portanto, perde-se informação, nitidez. Há alguns anos atrás isso até era percebido por alguns fotógrafos, mas muitos não sabiam exatamente qual era o problema. Afinal, a nitidez depende de muitos outros aspectos como foco, estabilidade etc... Até se sabia que algumas lentes não eram lá muito nítidas, mas o que poucos suspeitavam é que algumas lentes só ofereciam bons resultados em alguns tipos de sensores. Isso era meio empírico, até que uma empresa resolveu medir tudo isso e publicar números que representassem a qualidade da imagem conseguida usando uma determinada lente e um determinado sensor. Essa empresa é a DxO Labs.

No site dela, o DxOMark, estão publicadas as medições de praticamente todas as lentes e corpos disponíveis hoje no mercado (e até vários que já foram descontinuados). Consultando o ranking de nitidez das lentes que podem ser utilizadas na Canon 70D, que é uma câmera cropada muito utilizada, é possível verificar que várias lentes full frame oferecem uma qualidade de imagem para lá de medíocre. Tirando as caríssimas Canon 70-200mm f2.8L IS II USM e a Canon 24-70mm f2.8L II USM (e outras da Carl Zeiss), que são boas em qualquer situação, vamos encontrar diversas lentes full frame com nitidez abaixo dos 10 megapixels. Talvez você pense: Para aí, a Canon 70D tem 20 megapixels! É, mais o conjunto lente + câmera, na prática, pode e vai diminuir isso, mesmo usando as lentes mais caras que você puder comprar. Só à título de exemplo, a também caríssima Canon 85mm f1.2L II USM faz esse valor cair para 12 megapixels, e isso que estamos falando de uma lente fixa (prime), que geralmente apresenta uma nitidez melhor, de 2 mil dólares! Essa lente perde para a Sigma 18-35mm f1.8 DC HSM A, que é uma lente feita para câmeras cropadas, oferece 15 megapixels com a Canon 70D e custa apenas 790 dólares (não é a melhor comparação, porque elas tem distâncias focais bem distintas). 

De toda forma, por mais megapixels que tenha, não é possível conseguir fotos incrivelmente nítidas com câmeras cropadas, por melhor que seja a lente. E esse é o ponto crucial desse post (espero que você tenha tido paciência de ler até aqui). É como se tentássemos comprimir a mesma quantidade de informação, em forma de luz, em um pequeno espaço representado pelo sensor. Os vidros utilizados nas lentes, por melhor que sejam, não permitem isso. Já o contrário é verdadeiro. Com câmeras full frame é sim possível fazer fotos muito mais nítidas, mesmo com lentes consideradas de pior qualidade. Veja, por exemplo, o caso da Canon 35mm f2.0 IS USM, que é uma lente barata de 590 dólares. Essa lente montada na Canon 6D, que é full frame, alcança 18 megapixels segundo o DxOMark. Outras lentes da Sigma que são bem mais baratas do que a série L da Canon alcançam níveis de qualidade ainda maiores. Ou seja, será que realmente vale a pena investir em lentes primeiro? Ou seria melhor começar logo com um corpo full frame, talvez a Canon 6D ou a Nikon D750, mesmo comprando lentes mais baratas?

O fotógrafo Tony Northrup, inclusive, fez um vídeo muito interessante falando sobre essa questão. Recomendo para quem quer aprender um pouco mais sobre isso. Lá no site DxOMark, você também vai perceber que as câmeras full frame da Nikon alcançam níveis de nitidez incrivelmente superiores à da Canon. Mas isso é assunto para um outro post... até lá!